RSS

Arquivo da Categoria: Memória

Português e Literatura – o currículo na Biblioteca

Português e Literatura Portuguesa, a língua e a escrita, a escola e a aprendizagem – um caminho a par, faces de uma mesma Pátria como disse Bernardo Soares no Livro do Desassossego, assim, originalmente:

«Não tenho sentimento nenhum politico ou social. Tenho, porém, num sentido, um alto sentimento patriotico. Minha patria é a lingua portuguesa. Nada me pesaria que invadissem ou tomassem Portugal, desde que não me incommodassem pessoalmente. Mas odeio, com odio verdadeiro, com o unico odio que sinto, não quem escreve mal portuguez, não quem não sabe syntaxe, não quem escreve em orthographia simplificada, mas a pagina mal escripta, como pessoa própria, a syntaxe errada, como gente em que se bata, a orthographia sem ípsilon, como escarro directo que me enoja independentemente de quem o cuspisse.

Sim, porque a orthographia também é gente. A palavra é completa vista e ouvida. E a gala da transliteração greco-romana veste-m’a do seu vero manto régio, pelo qual é senhora e rainha.» 

Na Biblioteca, a exposição mostra os livros e a literatura do currículo, desde 1843, ano em nascemos Lyceu, até 1943, ano em que habitámos a nova casa e renascemos Liceu Nacional Sá da Bandeira.

 

Anúncios
 

Etiquetas: , , , , ,

150 anos de Tabela Periódica na Biblioteca

 

Num apontamento datado de 17 de fevereiro de 1869, destinado aos seus alunos da Universidade de São Petersburgo, Dmitry Mendeleev organiza, em forma de tabela,  os elementos químicos então conhecidos. Nesse escrito, prevê a existência de outros elementos ainda desconhecidos.

Ao proclamar 2019 o “Ano Internacional da Tabela Periódica dos Elementos Químicos” (IYPT2019), a UNESCO considera a Tabela Periódica dos Elementos Químicos “uma das realizações mais significativas da ciência, captando a essência não só da química, mas também da física e da biologia.

É uma ferramenta única que permite ao cientista prever a aparência e as propriedades da matéria na Terra e no resto do Universo.”

Na Biblioteca da Sá da Bandeira, exibe-se a exposição do grupo 510, comemorativa dos 150 anos da Tabela Periódica, onde se destacam exemplares centenários, pelos quais gerações de alunos aprenderam os elementos químicos:

 
 

Etiquetas: , , , , ,

Um amor na Biblioteca

inglesamarialva0

 
Deixe o seu comentário

Publicado por em 18 de Janeiro de 2019 em Bibliotecando, Literatura, Memória

 

Etiquetas: , , ,

A Inglesa e o Marialva

inglesamarialva

im

 
Deixe o seu comentário

Publicado por em 11 de Janeiro de 2019 em Bibliotecando, Literatura, Memória

 

Etiquetas: , , ,

Galeria

1918 – mês 11,dia 11, 11ª hora

 
 

Etiquetas: , ,

Dia Internacional para a erradicação da Pobreza

UNESCO18-ErradicaçãodaPobreza

Mensagem da Diretora-Geral da UNESCO,
por ocasião do
Dia Internacional para a Erradicação da Pobreza
17 de outubro de 2018

“O lugar da pobreza não é numa sociedade civilizada, mas sim num museu” declarou o bangladechiano Muhammad Yunus, um dos inventores do microcrédito, laureado com o Prémio Nobel da Paz em 2006 pelo seu compromisso em prol das populações mais desfavorecidas.
A pobreza é uma ofensa à dignidade humana, causa sofrimento e privação, impede o pleno desenvolvimento da pessoa, dificulta o pleno gozo dos direitos e das liberdades, atingindo, frequentemente, os mais vulneráveis, as mulheres e as crianças. É uma forma de servidão que gostaríamos, de facto, de relegar para outra época da humanidade.
Desde os anos 90, foram alcançados progressos consideráveis, à escala mundial, para travar a miséria e a indigência, fazendo com que mais de um bilhão de pessoas tivessem saído da pobreza extrema. Estes resultados fantásticos são um motivo de satisfação e de esperança, mas não devem ocultar os desafios que ainda nos falta ultrapassar. Atualmente, estima-se que 635 milhões de pessoas continuem a viver na pobreza extrema, ou seja, mais de 8% da população mundial. A grande maioria vive no Sul da Ásia e na África Subsariana.
A pobreza é um problema complexo que vem, muitas vezes, somar-se a outras situações de vulnerabilidade: assim, a taxa de pobreza é, frequentemente, mais elevada nos países considerados frágeis ou em situação de conflito. Além disso, as alterações climáticas e os desastres naturais atingem, habitualmente, populações mais expostas e menos preparadas para os enfrentar.
Por este motivo, temos que atuar simultaneamente em várias frentes. A pobreza não é apenas uma questão de recursos financeiros, é também um problema de falta de oportunidades. A erradicação da pobreza constitui o primeiro Objetivo de
Desenvolvimento Sustentável da Agenda 2030 das Nações Unidas, estando contudo,
estreitamente ligada a outros objetivos tais como a garantia de boas condições sanitárias, o acesso a uma educação de qualidade para todos, a oportunidade de ter um emprego decente, a igualdade de género, ou ainda, a preservação do ambiente. A comunidade internacional – os Estados, mas também os atores da sociedade civil e as empresas privadas – deve redobrar os seus esforços para realizar, em conjunto, esses objetivos.
É essencial que o crescimento económico seja mais inclusivo e que ajude a criar empregos sustentáveis. É indispensável que todos os países garantam uma proteção social aos seus cidadãos para os proteger dos numerosos riscos socioeconómicos num mundo em mutação. A educação é uma formidável alavanca de desenvolvimento: é primordial que cada criança, rapaz ou rapariga, possa beneficiar de uma educação de base de 12 anos.
A educação deve incluir as questões relativas à saúde, à sexualidade, à igualdade de
género e ao desenvolvimento sustentável, de modo a quebrar o círculo vicioso de hábitos sociais e de representações coletivas que sustentam as desigualdades. A UNESCO, agência líder da ONU para a educação, concentra os seus esforços especialmente na educação das raparigas, verdadeiro motor de desenvolvimento e de paz.
Neste Dia Internacional e neste ano de celebração do 70º aniversário da Declaração
Universal dos Direitos Humanos, mobilizemo-nos para que cada um e cada uma de
nós, em todo o mundo, possa beneficiar de condições de vida dignas.

Audrey Azoulay

 
Deixe o seu comentário

Publicado por em 17 de Outubro de 2018 em Cidadania, Literacias, Memória, UNESCO

 

Etiquetas: , , ,

Exposição ‘175 Anos – um universo de saber’

Uma exposição com um roteiro definido por marcos na história da Escola,da lei fundadora, passando pelos locais, pelas personalidades de vulto, pelos alunos de ontem e de hoje:

DecretoLiceus-PassosManuel-17Novembro1836

Um decreto – Lei de novembro de 1836

Uma cidade – Santarém

Um local – o Seminário Patriarcal

Um início  – 1843

Um patrono – Sá da Bandeira

Um reitor emblemático – António Ginestal Machado

Um reitor carismático – Ruy  da Silva Leitão

Do Liceu para o mundo: orgulhosamente nossos alunos – Bernardo Santareno, Rui Belo, Mário Viegas

Alunos que escrevem – Martinho Cardoso, Miguel Ângelo Antunes, Pedro Santos, Sofia Venturinha.

Este slideshow necessita de JavaScript.

 

 

 

 
Deixe o seu comentário

Publicado por em 12 de Outubro de 2018 em Bibliotecando, Memória, UNESCO

 

Etiquetas: , , , , , ,

 
%d bloggers like this: