RSS

Arquivo de etiquetas: Ambiente

Plástico? Recusar, reduzir, reutilizar.

3 de julho – Dia Internacional Sem Sacos de Plástico

O material que mais fascinou a segunda metade do século XX é hoje uma das maiores pragas – o plástico. Demora pelo menos 100 anos a degradar-se no meio ambiente: contamina, polui, mata.

3JulhoDiainternacionalSemSacosPlástico-OrganicA

Recusar, reduzir, reutilizar são  gestos básicos que estão ao alcance de todos – voltar a usar sacos de pano, rejeitar os plásticos desnecessários, reinventar a utilização dos  que temos em casa, eis pequenos atos que contribuem para um planeta mais saudável.

3JulhlDiaIntternacionalSemSacosPlástico

Na Biblioteca da Sá da Bandeira há literatura que informa sobre maneiras de ser mais amigo do ambiente!

 

 

Etiquetas: , , , , ,

Dia Mundial das Zonas Húmidas

 

diamundialzonashumidas

Dia Mundial das Zonas Húmidas

A convenção de Ramsar consagrou, em 1971,  2 de fevereiro como  data dedicada ao trabalho feito  para a  conservação e o uso sustentável das zonas húmidas.

Em 2017, evidencia-se o papel  das  Zonas Húmidas enquanto salvaguarda natural contra desastres.

Na Biblioteca,  a informação está  na classe 5.

 

 

Etiquetas: , , ,

Biodiversidade

22_de_maioQuercus

A 22 de maio de 1992,  as  Nações Unidas  adotaram o texto final da Convenção da Diversidade Biológica, que projeta o respeito pela biodiversidade, promovendo a  sustentabilidade e o reconhecimento do património natural como riqueza singular a valorizar por todos.  

Assim, celebra-se todos os anos o Dia Internacional da Biodiversidade.

Este ano, o tema é “Integração da Bioversidade para apoio às populações e aos seus meios de subsistência”. 

MapaÁreasProtegidas-ICNF

Em Portugal, as áreas protegidas são meios de promoção e educação para a preservação da Natureza. Igualmente, alguns constituem fontes de rendimento para as  populações que aí vivem.

 Todavia, há alturas em que a biodiversidade vem ter à cidade e pode ser acompanhada em direto – uma ninhada de falcões que vale a pena conhecer:

 

Etiquetas: , , , , , , ,

Dia da Terra

      A Terra , a nossa casa comum

É muito nobre assumir o dever de cuidar da criação com pequenas acções diárias, e é maravilhoso que a educação seja capaz de motivar para elas até dar forma a um estilo de vida. A educação na responsabilidade ambiental pode incentivar vários comportamentos que têm incidência directa e importante no cuidado do meio ambiente, tais como evitar o uso de plástico e papel, reduzir o consumo de água, diferenciar o lixo, cozinhar apenas aquilo que razoavelmente se poderá comer, tratar com desvelo os outros seres vivos, servir-se dos transportes públicos ou partilhar o mesmo veículo com várias pessoas, plantar árvores, apagar as luzes desnecessárias… Tudo isto faz parte duma criatividade generosa e dignificante, que põe a descoberto o melhor do ser humano. Voltar – com base em motivações profundas – a utilizar algo em vez de o desperdiçar rapidamente pode ser um acto de amor que exprime a nossa dignidade.      

Papa Francisco,Carta Encíclica Laudato Si

Isto sabemos:

a TERRA não pertence ao Homem;

é o Homem que pertence à TERRA.

O homem não teceu a trama da vida; ele é apenas um fio. O que faz com essa trama fá-lo a si   próprio.  

Chefe Seatle, 1854

 

 

Etiquetas: , , , , , ,

Plantar árvores, atitudes sustentáveis

“Devíeis ensinar aos vossos filhos o que nós ensinámos aos nossos: que a Terra é nossa Mãe. Tudo o que acontece à Terra acontece aos filhos da Terra.” – afirmava o Chefe Seatle em 1854.

No século XX, Carl Sagan dirá que o ‘Pálido Ponto Azul’ – a Terra – é o “único lar que conhecemos”.

Na Sá da Bandeira, Escola Associada da UNESCO, a Biblioteca, a Direção e a turma 10º A, assumem como seus os  Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU.

No Ano do Entendimento Global – Construindo pontes entre os pensamentos globais e as ações locais  – concretizámos o nossa ação sustentável, em colaboração  com a Quercus.  Contribuímos para a reflorestação de uma mata nacional com a plantação de três árvores autóctones numa Área protegida.

 

Etiquetas: , , , , , , , , , ,

Dia da Floresta Autóctone

 

Sobreiros

    O dia 23 de novembro foi estabelecido como o Dia da Floresta Autóctone para promover a importância da conservação das florestas naturais, apresentando-se simultaneamente como o dia mais adaptado às condições climatéricas de Portugal e Espanha para se proceder à sementeira ou plantação de árvores, alternativo ao Dia Mundial da Floresta.

Via http://naturlink.sapo.pt/Noticias/Noticias/content/Celebra-se-hoje-o-Dia-da-Floresta-Autoctone?bl=1
Pinheiros

Pinheiros

      A floresta autóctone constitui um património natural do nosso território pelo que assume uma grande importância a vários níveis. Para além do seu valor intrínseco, a floresta autóctone é relevante não apenas ao nível ambiental e ecológico mas também do ponto de vista económico e social.

Via http://www.quercus.pt/

Na Sá da Bandeira, a Biblioteca, a Escola e a Turma 10º A já iniciaram um bosque de árvores autóctones.

A Quercus  vai plantar as árvores com o nosso nome e vai cuidá-las!

Árvore10A ÁrvoreBE ÁrvorePelaFloresta

 
Deixe o seu comentário

Publicado por em 23 de Novembro de 2015 em Bibliotecando, Cidadania

 

Etiquetas: , , ,

Dia Europeu Sem Carros

“Escolhe. Muda. Combina.”

Cada viagem que fazemos é diferente. No entanto, tal não influencia a nossa escolha do modo de transporte que, na grande maioria das situações, acaba por ser sempre a mesma, independentemente de ser, ou não, a mais adequada. Acabamos, sem hesitar, por optar pelo automóvel particular, mesmo que a bicicleta ou os transportes públicos sejam a escolha mais eficiente. O tema deste ano “Escolhe. Muda. Combina.”, destaca a multimodalidade e incentiva as pessoas a refletirem sobre a variedade dos meios de transporte à disposição e a melhor forma de se combinarem entre si, numa viagem que se pode tornar assim, mais rápida e agradável.

Escolhendo-os de forma inteligente podemos economizar dinheiro, melhorar a nossa saúde e ajudar o ambiente. Em vez de ir de carro até ao centro da cidade e pagar altas quantias em estacionamento, por que não deixar o carro numa estação de comboios e seguir nesse meio de transporte, por exemplo? Por que não sair umas estações de metro antes do seu destino e fazer o resto do percurso a pé? Poderá surpreender-se com a beleza da sua cidade e ver locais que, habitualmente, não vê.

Via  Agência Portuguesa do Ambiente

 

 
Deixe o seu comentário

Publicado por em 22 de Setembro de 2015 em Bibliotecando, Cidadania

 

Etiquetas: , ,

 
%d bloggers like this: