RSS

Arquivo de etiquetas: UNESCO

Dia Internacional para a erradicação da Pobreza

UNESCO18-ErradicaçãodaPobreza

Mensagem da Diretora-Geral da UNESCO,
por ocasião do
Dia Internacional para a Erradicação da Pobreza
17 de outubro de 2018

“O lugar da pobreza não é numa sociedade civilizada, mas sim num museu” declarou o bangladechiano Muhammad Yunus, um dos inventores do microcrédito, laureado com o Prémio Nobel da Paz em 2006 pelo seu compromisso em prol das populações mais desfavorecidas.
A pobreza é uma ofensa à dignidade humana, causa sofrimento e privação, impede o pleno desenvolvimento da pessoa, dificulta o pleno gozo dos direitos e das liberdades, atingindo, frequentemente, os mais vulneráveis, as mulheres e as crianças. É uma forma de servidão que gostaríamos, de facto, de relegar para outra época da humanidade.
Desde os anos 90, foram alcançados progressos consideráveis, à escala mundial, para travar a miséria e a indigência, fazendo com que mais de um bilhão de pessoas tivessem saído da pobreza extrema. Estes resultados fantásticos são um motivo de satisfação e de esperança, mas não devem ocultar os desafios que ainda nos falta ultrapassar. Atualmente, estima-se que 635 milhões de pessoas continuem a viver na pobreza extrema, ou seja, mais de 8% da população mundial. A grande maioria vive no Sul da Ásia e na África Subsariana.
A pobreza é um problema complexo que vem, muitas vezes, somar-se a outras situações de vulnerabilidade: assim, a taxa de pobreza é, frequentemente, mais elevada nos países considerados frágeis ou em situação de conflito. Além disso, as alterações climáticas e os desastres naturais atingem, habitualmente, populações mais expostas e menos preparadas para os enfrentar.
Por este motivo, temos que atuar simultaneamente em várias frentes. A pobreza não é apenas uma questão de recursos financeiros, é também um problema de falta de oportunidades. A erradicação da pobreza constitui o primeiro Objetivo de
Desenvolvimento Sustentável da Agenda 2030 das Nações Unidas, estando contudo,
estreitamente ligada a outros objetivos tais como a garantia de boas condições sanitárias, o acesso a uma educação de qualidade para todos, a oportunidade de ter um emprego decente, a igualdade de género, ou ainda, a preservação do ambiente. A comunidade internacional – os Estados, mas também os atores da sociedade civil e as empresas privadas – deve redobrar os seus esforços para realizar, em conjunto, esses objetivos.
É essencial que o crescimento económico seja mais inclusivo e que ajude a criar empregos sustentáveis. É indispensável que todos os países garantam uma proteção social aos seus cidadãos para os proteger dos numerosos riscos socioeconómicos num mundo em mutação. A educação é uma formidável alavanca de desenvolvimento: é primordial que cada criança, rapaz ou rapariga, possa beneficiar de uma educação de base de 12 anos.
A educação deve incluir as questões relativas à saúde, à sexualidade, à igualdade de
género e ao desenvolvimento sustentável, de modo a quebrar o círculo vicioso de hábitos sociais e de representações coletivas que sustentam as desigualdades. A UNESCO, agência líder da ONU para a educação, concentra os seus esforços especialmente na educação das raparigas, verdadeiro motor de desenvolvimento e de paz.
Neste Dia Internacional e neste ano de celebração do 70º aniversário da Declaração
Universal dos Direitos Humanos, mobilizemo-nos para que cada um e cada uma de
nós, em todo o mundo, possa beneficiar de condições de vida dignas.

Audrey Azoulay

Anúncios
 
Deixe o seu comentário

Publicado por em 17 de Outubro de 2018 em Cidadania, Literacias, Memória, UNESCO

 

Etiquetas: , , ,

Professores

wtd-2017-poster-en_0

“Os professores são a força mais influente e poderosa para a equidade, acesso e qualidade na educação”

Irina Bokova, Diretora-geral da UNESCO

          ‘Ser um professor capacitado significa ter acesso a formação de elevada qualidade, salários justos e oportunidades contínuas com vista ao desenvolvimento profissional. Também implica ter a liberdade para contribuir para o desenvolvimento de curricula nacionais – e a autonomia profissional para escolher os métodos e abordagens mais apropriados para a uma educação mais eficiente, inclusiva e equitativa.’  Este é um excerto da Mensagem conjunta por ocasião do Dia Mundial do Professor  – Ensinar em Liberdade, Capacitar Professores – 5 de outubro de 2017, que pode ler aqui: 

 DiadoProfessor-2017

Este slideshow necessita de JavaScript.

 
Deixe o seu comentário

Publicado por em 6 de Outubro de 2017 em Bibliotecando, Cidadania, UNESCO

 

Etiquetas: ,

Dia Mundial da Rádio

diaradio_2017

Vivemos atualmente uma revolução na nossa maneira de obter e de partilhar informação. Contudo, apesar destas alterações profundas, a rádio nunca foi tão dinâmica, interessante e importante.

Esta é a afirmação com que Irina Bokova inicia  a mensagem da UNESCO para o Dia Mundial da Rádio.

meninaradio.jpg

Em Portugal as experiências com este novo meio começaram nos anos 20 do século passado. Em 1935 nasceu a Emissora Nacional de Radiodifusão, atual Antena 1. Um ano mais tarde começam as emissões experimentais da Rádio Renascença .

E, se em 1979, se cantava sobre o fim das estrelas da rádio, o cinema glorificava a eterna sedução das vozes – filmes que vale a pena rever:

DiasdaRádio.JPG

 

 

 
Deixe o seu comentário

Publicado por em 13 de Fevereiro de 2017 em Bibliotecando, Cidadania, UNESCO

 

Etiquetas: , , , ,

Direitos Humanos

   A Declaração Universal dos Direitos do Homem enuncia os direitos fundamentais, civis, políticos e sociais de que devem gozar todos os seres humanos, sem discriminação de raça, sexo, nacionalidade ou de qualquer outro tipo, qualquer que seja o país que habite ou o regime nele instituído.

A noção de direitos humanos tem-se afirmado, na segunda metade do século XX, como um dos conceitos políticos basilares. Contudo, e apesar de todos os estados-membros da ONU serem signatários da Declaração, muitos são os que, alegada ou comprovadamente, continuam a não respeitar os seus princípios.

Via https://www.infopedia.pt/$declaracao-universal-dos-direitos-do-homem

 

direitos

Este slideshow necessita de JavaScript.

Fonte: Blogue RBE e direitoshumanos

 

 
Deixe o seu comentário

Publicado por em 10 de Dezembro de 2016 em Bibliotecando, Cidadania, Memória, UNESCO

 

Etiquetas: , , ,

Dia Internacional da Paz

dia_paz_2016

Imagem UNESCO

Mensagem da Diretora geral da UNESCO por ocasião do Dia Internacional da Paz

 Os tempos que vivemos são conturbados para a humanidade e para o planeta.

Persiste a pobreza, e agravam-se as desigualdades. Muitas sociedades continuam separadas por conflitos que expõem milhões de mulheres e de homens a um imenso sofrimento. O extremismo violento encontra-se em ascensão: atos bárbaros de terror golpeiam as sociedades de todas as regiões. O mundo enfrenta a maior crise de refugiados e deslocados do nosso tempo, crise que em 2015 levou a 65,3 milhões de pessoas a serem deslocadas à força. A diversidade e o património cultural da humanidade veem-se atacados. Os sítios do património cultural são destruídos para erradicar a mensagem de diálogo e tolerância que trazem consigo. Ao mesmo tempo, o planeta sofre uma pressão crescente devido às consequências das alterações climáticas. Tudo isto enfraquece os alicerces da paz e sublinha a importância vital da ação global guiada pelos valores e princípios das Nações Unidas.

Este é o espirito da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável e o Acordo de Paris sobre as Alterações Climáticas, que veiculam um novo programa em prol da paz, em prol dos direitos humanos e a dignidade das pessoas, em prol da justiça e da prosperidade, em prol da sustentabilidade e a proteção do nosso planeta.

A Agenda 2030 afirma que “Não pode haver desenvolvimento sustentável sem paz, nem paz sem desenvolvimento sustentável”. Os 17 Objetivos de Desenvolvimento (ODS) configuram uma nova e transformadora visão de como erigir a paz, visão que outorga à UNESCO um papel protagonista em todos os níveis para promover, como propõe o Objetivo 16, sociedades pacíficas e inclusivas, baseadas na boa governação, a presença de instituições inclusivas, a prestação de contas e a justiça para todos. Para avançar por este caminho, necessitamos novas formas de atuação em todos os âmbitos, necessitamos de novas alianças entres os governos e as entidades da sociedade civil e o setor privado, necessitamos de novas fórmulas para dotar as mulheres e os homens de autonomia e de poder de decisão.

Este deve ser o nosso ponto de vista: os direitos individuais e a dignidade de toda a mulher e de todo o homem. A Constituição da UNESCO afirma “É na mente dos homens que se devem erigir os baluartes da paz” através da educação, a liberdade de expressão, o diálogo intercultural, o respeito pelos direitos humanos e a diversidade cultural e a cooperação científica.

Esta mensagem elaborada em 1945, depois de uma terrível e devastadora guerra, nunca foi tão vital nas sociedades que se encontram em plena transformação e são mais diversas em cada dia que passa. Manter a paz significa cultiva-la todos os dias em todas as sociedades, com cada mulher e homem. Significa viver juntos e trabalhar para um futuro melhor para todos.

Irina Bokova

Diretora geral da UNESCO

 
Deixe o seu comentário

Publicado por em 21 de Setembro de 2016 em Bibliotecando, Cidadania, UNESCO

 

Etiquetas: , ,

Biodiversidade

22_de_maioQuercus

A 22 de maio de 1992,  as  Nações Unidas  adotaram o texto final da Convenção da Diversidade Biológica, que projeta o respeito pela biodiversidade, promovendo a  sustentabilidade e o reconhecimento do património natural como riqueza singular a valorizar por todos.  

Assim, celebra-se todos os anos o Dia Internacional da Biodiversidade.

Este ano, o tema é “Integração da Bioversidade para apoio às populações e aos seus meios de subsistência”. 

MapaÁreasProtegidas-ICNF

Em Portugal, as áreas protegidas são meios de promoção e educação para a preservação da Natureza. Igualmente, alguns constituem fontes de rendimento para as  populações que aí vivem.

 Todavia, há alturas em que a biodiversidade vem ter à cidade e pode ser acompanhada em direto – uma ninhada de falcões que vale a pena conhecer:

 

Etiquetas: , , , , , , ,

Dia da Terra

      A Terra , a nossa casa comum

É muito nobre assumir o dever de cuidar da criação com pequenas acções diárias, e é maravilhoso que a educação seja capaz de motivar para elas até dar forma a um estilo de vida. A educação na responsabilidade ambiental pode incentivar vários comportamentos que têm incidência directa e importante no cuidado do meio ambiente, tais como evitar o uso de plástico e papel, reduzir o consumo de água, diferenciar o lixo, cozinhar apenas aquilo que razoavelmente se poderá comer, tratar com desvelo os outros seres vivos, servir-se dos transportes públicos ou partilhar o mesmo veículo com várias pessoas, plantar árvores, apagar as luzes desnecessárias… Tudo isto faz parte duma criatividade generosa e dignificante, que põe a descoberto o melhor do ser humano. Voltar – com base em motivações profundas – a utilizar algo em vez de o desperdiçar rapidamente pode ser um acto de amor que exprime a nossa dignidade.      

Papa Francisco,Carta Encíclica Laudato Si

Isto sabemos:

a TERRA não pertence ao Homem;

é o Homem que pertence à TERRA.

O homem não teceu a trama da vida; ele é apenas um fio. O que faz com essa trama fá-lo a si   próprio.  

Chefe Seatle, 1854

 

 

Etiquetas: , , , , , ,

 
%d bloggers like this: